© 2014 by SERGIO BARCELLOS. Proudly created with Wix.com

Sobre Carolina e sua obra

 

 

Carolina Maria de Jesus representa, no contexto da produção literária brasileira, uma convergência valiosa de condições de ‘impossibilidades’ para uma carreira literária: é uma mulher negra, semialfabetizada, favelada, mãe solteira e, acima de tudo, dona de um gênio forte e inflexível ao ponto de frustrar os projetos de moldá-la ao gosto público. A sua obra não se resume aos diários publicados, às versões organizadas pelo jornalista Audálio Dantas: Quarto de Despejo – o diário de uma favelada (1960), e Casa de Alvenaria, diário de uma ex-favelada (1961). Além desses dois títulos, que projetaram o nome de Carolina Maria de Jesus dentro e fora do Brasil em apenas dois anos, a escritora publicou por sua conta Pedaços da Fome e Provérbios (1963). Após mais de uma década no ostracismo, seu nome reaparece na capa de um livro, Diário de Bitita (1986), após a morte da escritora. Antes de ser revelada ao público, Carolina já havia tentado chamar a atenção de editores para os seus escritos: poemas, crônicas, contos, máximas e romance. Seu diário, por outro lado, chamou a atenção do público leitor da época por permitir uma visão "de baixo" das condições sociais do Brasil em plena década do desenvolvimentismo. Esse público leitor era também responsável pelas manifestações culturais engajadas, marcadamente populista.  Segundo José Carlos Sebe Bom Meihy, seu diário teria despontado

no cenário nacional nas agitações políticas que marcaram os chamados “anos dourados”, iniciados no governo de JK. No quadro da contracultura cabiam tipos sociais que representassem as contradições nacionais. nacionais. Nesse conjunto, a experiência de mulher batalhadora que sobrevivia graças ao lixo da cidade valia como argumento de interesse social. Foi assim que Carolina se transformou em representante de temas que empolgavam o debate político da esquerda e da direita. (Meihy, 2010, p.61).

Foto de Audálio Dantas (Biblioteca Nacional)

A partir do processo de abertura política promovido ainda pelo governo militar, em finais dos anos 1970 e início da década de 80, testemunhou-se uma virada significativa nos rumos da produção literária nacional. Para Flora Süssekind, esse momento histórico engendrou uma “prosa com dicção autobiográfica que dominou o panorama literário brasileiro de fins dos anos 70 e início da década de 80” (Süssekind, 2004, p.93-4). Em princípio, eram os relatos de ex presos políticos e exilados o que caracterizava a nova onda do retorno autobiográfico. Essa dicção, contudo, chega a contaminar também a produção literária ficcional e, mais adiante, vem possibilitar a abrangência de outras experiências de vida – estas, dispostas a privilegiar a voz subalterna, a experiência de vida das minorias e da vida da periferia. Nesse sentido, era pertinente um olhar menos radical em relação à produção literária de Carolina de Jesus, o que veio a acontecer na década seguinte.

Na década de 1990, através da pesquisa dos professores José Carlos Sebe Bom Meihy, da Universidade de São Paulo, e do professor Robert M. Levine, da Universidade de Miami, que resultou no livro Cinderela Negra, a saga de Carolina Maria de Jesus, foi possível não somente reintroduzir o nome da escritora nos círculos de pesquisas literárias, mas também recuperar parte de seu arquivo contendo manuscritos dos diários publicados e mais de cinco mil folhas de textos inéditos. Esse material, tratado e microfilmado, encontra-se depositado na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, e na Biblioteca do Congresso, em Washington D. C.  

Em uma entrevista, por ocasião do lançamento do filme Cinco vezes favela, agora por nós mesmos, o cineasta Cacá Diegues se preocupa em esclarecer que sua participação no projeto – um filme composto por sete histórias diferentes, todas escritas, dirigidas e estreladas por jovens moradores de favelas - foi apenas a de  “um produtor que apostou em um projeto não por caridade, mas por acreditar na sua competência artística, comercial e cultural” (Apud Ventura, 2010, p.07). Emblemático posicionamento do diretor que, nos anos 1960, fez parte da intelectualidade encarregada de “dar voz” ao oprimido e de divulgar a realidade da periferia. Atualmente, como o artigo de Zuenir Ventura de onde foi retirada essa afirmação aponta, há uma invasão do centro:

a favela está procurando ser o seu próprio porta-voz. Não está querendo mais ser vista apenas pelo olhar exterior; quer ser protagonista e autor de sua história. É um movimento de dentro para fora, bem diferente da atitude que movia os intelectuais de esquerda dos anos 60 que, generosos mas paternalistas, subiam o morro atraídos pelo tema e “levando” cultura. (loc. cit.).

A partir de 1958, quando começaram a ser publicados em jornais paulistas  trechos de seu diário, como preparação para a versão em livro que surgiria em 1960, Carolina Maria de Jesus se encontrava em situação ambígua: se, por um lado, devia sua exposição à interferência do jornalista Audálio Dantas e, dessa forma, estaria sendo “mediada” por ele, por outro recusava a mediação e acreditava poder instaurar um discurso seu e somente seu, dentro do ambiente literário e cultural no qual conquistara algum espaço. Essa ambiguidade favorece uma compreensão da obra de  Carolina como portadora de uma potência que resistiu aos imperativos conjunturais, apesar de ter sabido tirar proveito direta ou indiretamente deles. Sua literatura produzida “de dentro da favela” – e talvez uma das primeiras obras com tal característica – não pode ser considerada essencialmente periférica, uma vez que uma leitura mais atenta de seu diário mostra sua convicção de pertencer ao mundo literário por conta de seu talento e não por concessão de uma tendência ideológica qualquer. Descrever a vida na favela, tarefa à qual seu diário se dedica, não resume a totalidade da obra literária de Carolina Maria Jesus. O imaginário presente em seus contos, romances e peças teatrais compõe-se de diversas realidades e de diversas imaginações (trabalhadores, serviçais, homens e mulheres elegantes e ricos, palácios e muito luxo), resultando em uma literatura para a qual o rótulo de “periférica” somente  reduziria seu valor e perpetuaria uma atitude complacente em relação ao seu exame através de uma perspectiva estética.

 

Fotos de Carolina Maria de Jesus

 

Produção audiovisual sobre Carolina

 

Retornar ao topo