© 2014 by SERGIO BARCELLOS. Proudly created with Wix.com

 

Bibliografia sobre Carolina (D, E e F)

 

DALCASTAGNÉ, Regina, MATA, Anderson Nunes da. (org.). Fora do retrato: estudos de literatura brasileira contemporânea. Vinhedo: Horizonte, 2012.

 

DALCASTAGNÉ, Regina. "Para além da 'perspectiva do alpendre'". Suplemento Pernanbuco, Recife, PE, Diário Oficial do Estado. Disponível em http://www.suplementopernambuco.com.br/edi%C3%A7%C3%A3o-impressa/71-ensaio/1452-para-al%C3%A9m-da-%E2%80%9Cperspectiva-do-alpendre%E2%80%9D.html . Acesso em 28 de Julho de 2015. 

 

DAMATTA, Roberto. “Carolina, Carolina, Carolina de Jesus…”. Jornal da Tarde, São Paulo, SP Variedades, p.2C, 11 de Novembro de 1996.

 

DANTAS, Audálio. “A atualidade do mundo de Carolina”. In: JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo – diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 1993, pp.3-5.

 

___. “Apresentação”. In: JESUS, Carolina Maria de Jesus. Quarto de despejo – diário de uma favelada. 9ª ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves, 1963, pp.4-6.

 

___. “Carolina Maria de Jesus und die Tragôdie der Hungernden”. In: JESUS, Carolina Maria de. Tagebuch der Armut: Aufzeichnungen einer brasilianischen Negerin. Trad. Johannes Gerold. Hamburgo: Christian Wegner Verlag, 1962.

 

___. “Carolina Maria de Jesus y la tragédia del hombre com hambre”. In: JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diario de uma mujer que tenia hambre. 4ª ed. Trad. Beatriz Broide de Sahovaler. Buenos Aires: Editorial Abraxas, 1962, pp.11-15.

 

___. “Casa de alvenaria: história de uma ascensão social”. In: JESUS, Carolina Maria de. Casa de alvenaria – diário de uma ex-favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1961, pp.5-10.

 

___. “Da favela para o mundo das letras”. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, n.48, pp. 148-152, 10 de Setembro de 1960.

 

___. “Das Haus aus Stein-die Geschchte eines sozialen Aufstiegs”. In : JESUS, Carolina Maria de. Das Haus aus Stein: Die Zeit nach dem Tagebuch der Armut. Trad. Johanes Gerold. Hamburgo: Chrintian Wegner Verlag: 1964.

 

___. “Ma vraie maison: présentation”. In: JESUS, Carolina Maria de. Ma vraie maison. Trad. Violante do Canto. Paris : Stock, 1964, pp.17-24.

 

___. “Mistificação da crítica”. Imprensa, pp.42-43, Janeiro de 1994.

 

___. “Nossa amiga Carolina”. In: JESUS, Carolina Maria de. Karonina nikki. Trad. Nabuo Hamagachi. Tóquio: Kawade, 1962, pp.1-5.

 

___. “Nossa irmã Carolina”. In: JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo – diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960, pp. 5-12.

 

___. “O drama da favela escrito por uma favelada: Carolina Maria de Jesus faz um retrato sem retoque do mundo sórdido em que vive”. Folha da Noite, São Paulo, ano XXXVII, n.10.885, 9 de Maio de 1958.

 

___. “Préface”. In: JESUS, Carolina Maria de. Le dépotoir. Trad. Violante do Canto. Paris: Stock, 1962, pp.7-18.

 

___. “Prefácio”. In: JESUS, Carolina Maria de. Zycie na Smietniku. Trad. Helena Czajka. Varsóvia: Czytelnik, 1963, pp.4-16.

 

___. “Retrato da favela no diário de Carolina”. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, n.36, pp. 92-98, 20 de Junho de 1959.

 

___. Tempo de reportagem – histórias que marcaram época no jornalismo brasileiro. Rio de Janeiro: Leya Brasil, 2012.

 

___. “Unsere Schwester Carolina”. In: JESUS, Carolina Maria de. Tagebuch der Armut: Aufzeichnungen einer brasilianischen Negerin. Trad. Johannes Gerold. Hamburgo: Christian Wegner Verlag, 1962, pp.5-16.

 

DAWN, Duke. “Alzira Rufino's a casa de cultura de mulher negra as a form of female empowerment: a look at the dynamics of a black women's organization in Brazil today”. Women's studies international forum. v.26, nº4, 2003, pp.357 -368.

 

___. “The triumph within: Carolina Maria de Jesus and strategies for black female empowerment in Brazil”. In: TILLIS, Antonio D. (ed.). Routledge studies on African and Black Diaspora – Critical perspectives on afro-latin american literature. Nova York: Routledge, 2012, pp.184-205.

 

“DE LA FAVELA a la fortuna”. Life (en español). pp.70-71, 1961.

 

DIÉGUEZ, María Luz. “La ‘polifonia’ como imperativo feminista: desmitificación, subversión, y creación de nuevas voces narrativas en Esther Tusquets, Paloma Diz-Mas, Carolina Maria de Jesus y Rigoberta Menchu”. Tese. University of Oregon, 1989.

 

“ÊXITO amplo de Quarto de despejo”. Folha da Manhã, São Paulo, 22 de Agosto de 1960.

 

FARIA, Alvaro Alves de. “Versos saídos do Quarto de despejo”. Jornal da Tarde, São Paulo, Caderno de Sábado, pp.6, 21Setembro de 1996.

 

FELINTO, Marilene. “Clichês nascidos na favela”. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Mais!, p.11, 29 de Setembro de 1996.

 

FENSKE, Elfi Kürten (pesquisa, seleção e organização). Carolina Maria de Jesus - a voz dos não têm a palavra. Templo Cultural Delfos, maio/2014. Disponível no link http://www.elfikurten.com.br/2014/05/carolina-maria-de-jesus.html.  Acessado em Setembro de 2014.

FERNANDEZ, Raffaella. A poética de resíduos de Carolina Maria de Jesus. São Paulo: Aetia Editorial, 2019.

 

___. Carolina Maria de Jesus, uma poética de resíduos. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, 2006.

 

___. “Cartografando uma literatura menor: a poética de resíduos de Carolina Maria de Jesus”. Baleia na Rede, Unesp – Marília, v.1, nº3,  2006.  Disponível em http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/baleianarede/article/view/1373. Acesso em Setembro de 2014.

 

___. “Entre-lugares na poética de Carolina Maria de Jesus”. Revista Olho d’água, v.2, nº2, pp.131-139, 2010. Disponível em http://www.olhodagua.ibilce.unesp.br/index.php/Olhodagua/article/view/72. Acesso em Setembro de 2014.

 

___. “Múltiplas vozes na poética de resíduos de Carolina Maria de Jesus”. Rascunhos culturais, Campo Grande/MS, v.1, nº1, pp.55-71, 2010. Disponível em http://revistarascunhos.sites.ufms.br/files/2012/07/1ed_artigo_4.pdf. Acesso em Setembro de 2014.

 

___. “Percursos de uma poética de resíduos na obra de Carolina Maria de Jesus”. Itinerários, Unesp, nº27, pp.125-146, 2008. Disponível em http://seer.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/1131. Acesso em Setembro de 2014.

 

___. "Processo criativo nos manuscritos do espólio literário de Carolina Maria de Jesus". Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, 2015. Disponível em http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000959623 Acesso em Abril de 2016. 

 

___. “Vozes dissonantes na processualidade da reinvenção do eu em Quarto de despejo”. Ratio Juris, v.5, nº11, 2010, p.187.

 

FERNANDEZ, Raffaella Andrea, TOLENTINO, Célia Aparecida Ferreira. “Carolina e Esmeralda: um doloroso caminho em comum”. Revista de Iniciação Científica da F.F.C., Unesp, Marília, v.4, nº0, pp.52-61, 2002.

 

FERRAZ, Thien Spinelli. “Experiências em desejos: entre os sentidos da existência em Quarto de Despejo (1959), de Carolina Maria de Jesus”. Baleia na Rede, v.1, nº3, 2006. Disponível em http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/baleianarede/article/view/1371. Acesso em Setembro de 2014.

 

FERREIRA, Adriana. “Carolina de Jesus vai ter sua obra perpetuada”. O Estado de S. Paulo, São Paulo, Caderno 2, p.D7, 6 de Abril de 1996.

 

FERREIRA, Débora R. S. “Na obra de Carolina Maria de Jesus, um Brasil esquecido”. Luso-Brazilian review 2002 v.39, nº1, 2002, pp.103 -19

 

FERREIRA, Hernani. “O livro de Carolina”. Leitura: a revista dos melhores escritores. Rio de Janeiro, ano 19, n.47, p.41, Maio de 1961.

 

FIDELES, Nina. “A poesia que o Brasil não (re)conhece. Entrevista Raffaella Andréa Fernandez”. Caros Amigos, São Paulo, ano XVII, nº206, pp.40-42, Maio de 2014.

 

FLORES, Elio Chaves. “Palavras afiadas: memórias e representações africanistas na escrita de Carolina Maria de Jesus”. CLIO – Série História do Nordeste. UFPE, nº.28.1, pp.1-27, 2010. Disponível em http://www.revista.ufpe.br/revistaclio/index.php/revista/article/view/98. Acesso em Setembro de 2014.

 

___. Visões da África, Cultura Histórica e Afro-Brasilidades. João Pessoa: Editora UFPB, 2016 [E-book]. Disponível: http://www.editora.ufpb.br/sistema/press/index.php/press/catalog/book/202

​​

​​

FORTUNA, Felipe. “Carolina só”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1 de Novembro de 1986.

 

 

Próxima página

 

Página anterior